sábado, 19 de novembro de 2016

HORA PASSADA

HORA PASSADA

A hora que passa fica em mim retida.
Inultilmente, pois mesmo assim, passa.
Como corpo sem alma, inerte massa,
A horas mortas uma hora a mais havida.

Soma-se às horas já vistas da vida
Essa hora minha sem graça ou desgraça.
Contra o tédio, poesia se me faça
Ou senão um bilhete de suicida...

Mas algo agora aqui me reconforta
Do vazio retido à hora passada
Na minha só tristeza natimorta.

O facto de passar é que me agrada.
Tê-la retida em mim pouco me importa,
Se sós somos, eu e a hora, o mesmo nada.

Belo Horizonte - 09 08 1996