sexta-feira, 4 de agosto de 2017

O SÓSIA

O SÓSIA

Parece bem comigo e não é eu
Aquele em cujo rosto me confundo...
Tanto, que seria eu se n'algum mundo,
Onde também seu rosto fosse o meu...

Olhando-o frente a frente, sucedeu
De n'ele ver talvez meu eu profundo
A ponto d'eu pensar por um segundo
Que de facto meu rosto fosse o seu.

E se for? Ou melhor, s'eu não for um?!
Se além d'ele e de mim houver algum
A repetir-se em mil rostos iguais?...

Mato-o: Vejo-me morto em fria ardósia...
Resta-me o sósia qu'eu sou de meu sósia
Vivendo em seu lugar uns anos mais.

Betim - 04 08 2017