sexta-feira, 21 de junho de 2019

RISCA DE GIZ

RISCA DE GIZ

Aquele que não sou se veste bem...
Procura s'espelhar nos homens finos,
Que suavizam com modos fidalguinos
A vida em sociedade que os sustém.

Pondo o fato que exacto me convém,
Transporto-me a charutos vespertinos
Na vã conversação dos libertinos
Em torno do que foi e do que vem...

Há-que se lembrar sempre como as luvas
Ao vestir-nos as mãos se nos prepara
Para o delicado cálice das uvas.

Do mesmo modo a fazenda rara
Toda em risca de giz, dos manda-chuvas,
Dá às rimas do poeta voz preclara!

Belo Horizonte - 16 06 2019

domingo, 2 de junho de 2019

PRIMOGÊNITA

PRIMOGÊNITA

Dezoito anos atrás te conheci
A partir d'aí me foste uma alegria.
Tão maior do que tudo que existia,
Que já não pude olhar senão por ti.

De sorte que em teus olhos eu me vi
Enternecido e audaz dia após dia.
E quando sem a tua companhia,
Apenas de saudade então vivi...

Hoje, para celebrar a tua vida,
Rememoro-te os dias sem mais danos
A cada encontro; a cada despedida.

Pois apesar de todos os enganos,
Trago um beijo, uma lágrima incontida
E estes humildes versos por teus anos

Betim - 02 06 2019

sábado, 1 de junho de 2019

JOVENS N'UM MUNDO VELHO

JOVENS N'UM MUNDO VELHO

Manifestações de rua têm se sucedido nas últimas duas semanas com o chamamento de jovens por velhos ideólogos. Sim, o mundo no qual conceitos como "esquerda, direita, extremistas e centrão" fizeram sentido é o da Assembléia que criou a República Francesa a partir das cinzas do Antigo Regime, ainda no século XVIII…

Ou seja, temos convivido com uma polarização ultrapassada em pelo menos duzentos anos como ordem do dia... Um mundo velho, caduco, de frases feitas sendo repetidas à exaustão e jovens se dividindo entre extremos ideológicos incomunicáveis. A pergunta dos Titãs permanece:-- "Quem quer manter a Ordem? Quem quer criar desordem?" -- Direitas ou esquerdas… Extremos ou centros...

Para começar o contraditório, podemos citar o próprio presidente da República, segundo o jornal O Globo ainda no dia 15 d'este mês:

"Se você perguntar a fórmula da água, não sabe, não sabe nada. São uns idiotas úteis que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais no Brasil"

Ou ainda o governador João Dória, acerca das manifestações conclamadas pelos bolsonaristas, no dia 19 último:

"O povo já foi à rua, já manifestou as suas posições. Consideramos como algo inútil, inadequado (as manifestações pró-Governo), estabelecendo o potencial de confronto que não é o momento".

Entre prós e contras, o Brasil tem perdido. Hoje, dia 30 de maio, novas manifestações em defesa da Educação Pública (não só a universitária) tomam as ruas de várias cidades do país. A impressão para quem olha de fora é de que os movimentos mobilizadores das manifestações correm o risco de transformar as ruas em palco de competição ideológica. A leitura "factual e pragmática" dos jornalistas tem se limitado a comparar números de participantes, de modo a municiar os analistas políticos sobre o tamanho dos respectivos "exércitos de massas de manobra" -- inúteis ou úteis, a depender de quem julga.

Ao chamar a sua militância para rua, o Governo transformou o que era uma reivindicação de classe n'um confronto ideológico, esse sim, inútil. Os problemas na Educação Pública permanecem, mas as soluções em debate deixaram de ser técnicas e passaram a ser ideológicas, de modo que propor mais ou menos recursos deixasse de ser uma questão orçamentária para se transformar n'um projeto de desinteligência nacional.

Inúteis não são aqueles que vêm às ruas  com bandeiras coloridas, sim a ideologização dos discursos. Compete ao Governo esfriar os ânimos e propor ambientes institucionais para responder à sociedade. Sob pena de, dia não dia sim, assistirmos as ruas das cidades brasileiras como cenário de manifestações cada vez mais afirmativas de grupos à direita e à esquerda, do que catalisadoras de legítimas pautas nacionais.

No dia em que as datas coincidirem, com a direita e a esquerda na mesma avenida, não haverá mais debate; haverá confronto. Resta-nos  -- como jovens ou nem tanto -- desmascarar os velhos manipuladores e construirmos um mundo que possamos chamar de novo…

É isso.

Belo Horizonte - 30 05 2019

sexta-feira, 31 de maio de 2019

CANTILEVER

CANTILEVER

Embora seja mísula ou balanço
A viga que avançasse no vazio,
Uns têm por cantilever: Desafio
De dar às estruturas tal avanço.

O que deverasmente não alcanço
É ter que um anglicismo tão sombrio
Se imponha na linguagem que confio
Ser isenta de dúvida e de ranço...

Apresentam palavras ignoradas
E querem que entendamos as ciladas
Do que não é atalho, sim obstáculo.

Para enfim nos impôr a ferro e fogo
Coringas que atravessam nosso jogo
Como expressões estranhas ao vernáculo!

Betim - 29 05 2019

quarta-feira, 29 de maio de 2019

PALAFITAS

PALAFITAS

Sobre estacas submersas as moradas
Da vila sobre as águas a marear:
Casas de paus e tábuas d'um lugar
Que por ora rio; ora mar, banhadas.

Canoas ao invés de vãs calçadas
Onde todos andavam a remar
Por, da vazante à cheia, acompanhar
O vai-e-vem das águas enlameadas.

O mangue e a maresia omnipresentes 
No cheiro nauseabundo das manhãs
Entranhando algas e almas d'estas gentes.

E ainda que insalubres e malsãs
N'elas vêm repousar, indiferentes,
Depois de derrotarem Leviatãs.

Ilhéus - 21 07 2011

sexta-feira, 3 de maio de 2019

CAIXA DE LUZ

CAIXA DE LUZ

Tanto através dos vidros se ilumina
O salão onde baila a fidalguia,
Que igual caixa de luz a fantasia
Faz verter cores vãs sobre a retina.

Ali nem Arlequim nem Colombina,
Entregues à total patifaria,
Tirariam Pierrot d'essa agonia
Que é amar a tirana que o fascina.

As sedas que farfalham nos tablados
Abrem alas aos pares mascarados,
Bailando pela caixa luminosa.

Porém, trocam-se os pares na berlinda.
Por deixar sua bela 'inda mais linda,
Sorri Pierrot ao orná-la d'uma rosa...

Belo Horizonte - 02 05 2019

quinta-feira, 2 de maio de 2019

VALENTADA- da zoeira ao bullying

VALENTADA- da zoeira ao bullying

Julga-se infeliz a piada,
Que após ter sido contada
Sem fazer rir, faz chorar.

Limita o humor a risada
N'um esgar esmagada
Por fora de hora ou lugar.

Assim, a troco de nada,
Dos outros dá gargalhada
Por mais dar o que falar.

E, em face da dor causada,
Indiferente lhe brada
O que não pensa calar.

Após, de cara lavada,
Expõe seu ódio à manada,
De iconoclasta sem par.

Mas passa por voz ousada
Para arrotar valentada,
Qual fosse a plateia d'um bar.

Mais intimida que enfada,
Buscando outra temporada
Para mais se manter no ar.

E fica a pessoa errada
Tão ridicularizada,
Que ri para não chorar.

Betim - 15 04 2019