sábado, 24 de junho de 2017

BUCÓLICA

BUCÓLICA 

Foi na noite dos tempos, ainda antes
D'haver um nome para cada cousa...
Foi quando o traço escrito sobre a lousa
Soube ressoar os ais de dois amantes.

Assim poeta e pastor -- seres errantes --
Fez-se aquele que com palavras ousa
Nas soledades onde o olhar repousa
Pôr em versos amenos seus instantes.

Muito antes dos idiomas, as canções
Expressavam dos poetas emoções
Em grunhidos bárbaros ritmados.

Desde sempre à Natura sons tomando
No afã de que com versos quando em quando
Encher os campos d'ecos namorados.

Capão Bonito - 16 06 2017