quarta-feira, 5 de abril de 2017

ANTI-HORÁRIO

ANTI-HORÁRIO

Em vão giro os ponteiros ao contrário
Como se assim pudesse voltar tudo...
O mundo continua aqui, contudo,
Agora é menos belo e extraordinário.

Folheio sem interesse o calendário,
Visto que nem dos dias já me iludo:
Sigo entrando calado e saindo mudo
N'esse afã de fazer tudo no horário.

Contra o relógio se anda pela vida
Apesar de saber-se de saída
Que o tempo sempre vence no final.

De facto, aproximando a hora da morte
Pela noite o tic-tac ecoa forte
Enquanto a vida passa quase irreal.

Betim - 05 04 2017