segunda-feira, 24 de outubro de 2016

NOVEMBRADAS

NOVEMBRADAS

Não sei se alguém está contando os dias,
Só sei que mês que vem fará um ano...
O tempo passa sempre soberano
E indistinto a tristezas ou alegrias.

Dez anos se passaram nas sombrias
Horas em que nós -- não sem perda e dano --
Vivemos plenos esse encontro humano
Que uns chamam amor; outros, agonias...

Novembros têm sido aqueles meses
Nos quais por repetidas-mas-vãs vezes
Acontecem chegadas e partidas.

Hoje, a questão sequer é ser feliz,
Sim ir aonde aponta ora o nariz:
Tão-somente seguirmos nossas vidas.

Betim - 02 10 2016