quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

CASA DE REPASTO

CASA DE REPASTO

-- "Dai-me, se vos apraz, da miscelânea
Enquanto o caldeirão ferve culturas!
Temperai com exóticas misturas
E a língua vos degusta a coletânea."

"Chamada geração não-espontânea,
Àcida faz-se face às amarguras,
Cuja safra de poemas e imposturas
Já me embriaga de luz contemporânea."

"Um caldo restaurante, por favor!
Um cálice de vinho ou de licor!
Servi-me, eu vos peço, sem demora..."

"Quem dá sabor à língua senão poetas?
Dizei de vossas obras incompletas
Quão intensas as letras são agora!"

Betim - 15 01 1999