quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

PANOS DE VIDRO

PANOS DE VIDRO

O ouro do sol s'espelha nas vidraças
D'alguns arranha-céus onde a cidade
S'eleva ao pé da serra e a alma me evade
A tempo d'eu lhe cair em suas graças.

O olhar distingue ruas, largos, praças...
Belo horizonte! Sã idealidade,
Onde verticalidade e realidade:
Sábio jogo de luzes sobre as massas...

Aço e vidro de torres reluzindo
N'aqueles rubros céus de acaba-mundo,
Tendo um curral de serras cá por fundo.

Em alturas assim, o dia findo
Me faz de arquiteturas impressões
À luz d'extremas sós revelações.

Belo Horizonte - 09 12 1999