quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

ADORAÇÃO

ADORAÇÃO

Para a roda do tempo de correr
Quando na nave os ecos do Bendito,
Ressoam em meu espírito contrito
E tudo ao meu redor deixa d’haver.

Algum tempo haverá-de nos conter
A Eternidade? O espaço cabe o Infinito?
O caos de minha vida estava escrito
Desde antes do Universo acontecer.

A consciência se torne o quase nada
Onde existe meu Ser; onde Deus mora.
Transcende espaço-tempo, ilimitada,

E evade de mim sem lugar nem hora.
Mas alcançará, muito embora errada,
Àquele que, em silêncio e só, adora.

Betim – 02 04 1999