quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

O ONZE DE SETEMBRO

O ONZE DE SETEMBRO

Quando as torres caíram me vi só,
Cercado de pessoas angustiadas.
Forças então de todos ignoradas
Tombavam prédios feito dominó.

Milhares sendo mortos lá sem dó... 
E as catástrofes há tanto esperadas
Para o novo milênio são lembradas
Ante montes d’escombros e de pó.

Terror: O fim enfim está chegando...
O mundo se destrói de quando em quando,
Mas d’essa vez parece irreversível.

Nas sombras esperando, tarde ou cedo,
Seremos consumidos pelo medo,
Enquanto o anjo da morte anda invisível.

Belo Horizonte – 11 09 2001