domingo, 25 de dezembro de 2016

O FIM DOS TEMPOS

O FIM DOS TEMPOS

Andando taciturno pela rua,
Passou despercebido dos demais.
Talvez as vozes nem fossem reais
Tanto quanto a visão da última lua.

Sem embargo, para o alto continua
E, em face do que chama de sinais
Do avanço das potências infernais,
Proclama a profecia extrema sua:

-- "É hora: O fim dos tempos se aproxima...
Uma a uma já se cumprem as
promessas!
Volvei os vossos olhos para cima!..."

"Obscurecido por nuvens espessas, 
O sol agora dança logo acima
Até o céu nos cair sobre as cabeças."

Belo Horizonte - 09 09 1999