domingo, 6 de novembro de 2016

AMAZONAS

AMAZONAS

Nuas, as duas belas se entreolharam,
Entregues aos prazeres mais proibidos.
Na embriaguez de desejos escondidos.
Admiradas de si, elas se amaram.

Logo os lábios das lésbias se tocaram
E seus mamilos muito intumescidos
Como se figos alvos bem crescidos
Uma à outra, dulcíssimos, beijaram.

Orvalhados os sexos, já arfantes
Se trocavam carícias delirantes
Com ardores e gozos inclementes.

Amazonas, guerreiras do amor,
Cavalgam-se com tríbade furor,
Até, enfim, quedarem inconscientes...

Belo Horizonte - 09 07 1993