sexta-feira, 11 de novembro de 2016

SILOGÍSTICO

SILOGÍSTICO

Outro amor que finda antes de iniciar,
Tem nada mais que o fim como premissa.
Tal como o archote cujo ardor se atiça 
Apenas para logo se apagar.

Já caídos, porém, por mal-de-amar,
Não deixamos de medo e até preguiça...
Onde o en'amoro que em vão se desperdiça
Qual tesouro no fundo d'algum mar.

Se o nosso amor carece de futuro
Tanto quanto lamenta do passado,
Não parece estar n'ele o que procuro.

Ainda assim, sem lógica ou verdade,
Conclui-se ao silogístico enuciado
Ter n'outro lugar-comum felicidade!...

Belo Horizonte - 02 06 1996