domingo, 6 de novembro de 2016

DE BOCA EM BOCA

DE BOCA EM BOCA

Pois como sabem Deus e todo mundo,
Palavras loucas, só orelhas moucas...
Loucuras d'amor clamam quase roucas
As aluadas segundo após segundo:

-- "Há astros a luzir no céu profundo
Em conjunções que ensejam visões loucas."
Mesmo suas estrelas sendo poucas,
Veem nas fases da lua algo fecundo.

E trocam simpatias, sortilégios,
Feitiços de paixão, poções d'amor...
Tirando-se lhe a sorte em seu favor.

De boca em boca espalham seus colégios
Onde ensinam as artes amorosas
Que fazem as mulheres perigosas.

Betim - 13 05 1993