sexta-feira, 11 de novembro de 2016

AO TACTO

AO TACTO

Há-que se tocar quando o amor nos cega...
Ter na palma da mão o coração
Ao se sentir em meio à escuridão,
Pele a pele, onde o peito se aconchega.

Mas se maior o calor, melhor a entrega;
Têm-se à pele em altíssima tensão,
De modo que a esta intensa sensação,
Palmo a palmo, já a carne não sossega.

Apalpar para os olhos pôr à palma,
Pois ao tocar sentir pelo corpo a alma,
Tendo o carinho apenas como guia...

Sempre encontrem um no outro tais delícias
Os amantes que entregues às carícias
Se permitem ao tacto a fantasia.

Betim – 05 05 1995