terça-feira, 1 de novembro de 2016

DESARVORADO

DESARVORADO

A despeito dos nomes tão pomposos
Ou das palavras belas e sensatas,
Nada mascara mais suas ingratas
Razões para iludir os desditosos.

Sempre co’os ditos mais espirituosos
Nos repete historietas e bravatas,
Por fazer crer que tem luzes inatas,
Ocultando interesses duvidosos.

Quem guindado às alturas do poder,
Faz, absolutamente, o que bem quer
Enquanto o embasbacado tudo aplaude.

Seja este só mais um desarvorado,
Que quando do palanque for apeado
Não faltará já outro que lhe malde.

Betim – 01 10 2009